15 de out de 2012

Kiss - Banda da Semana [14]





  Constitui um dos maiores impactos culturais da década de 1970, valendo-se de roupas, e sobretudo, maquiagens que marcariam a história da música. Seus dois fundadores são Gene Simmons (baixo e vocal) e Paul Stanley (guitarra rítmica e vocal), que ficaram frustrados com o fim de uma banda que formaram chamada “Wicked Lester”, assim, decidindo procurar novos integrantes para uma nova banda, encontraram tais integrantes através de anúncio na revista Rolling Stone, Ace Frehley (guitarra solo e vocal) e, pela Village Voice, Peter Criss (bateria e vocal).
  Os primeiros concertos do KISS, já maquilhados e trajados a seu modo, ocorreram no New York Coventry Club, cujo cachê correspondeu a U$ 35,00 por noite. Continuaram fazendo shows pelas noites de Nova Iorque, tocando músicas próprias, quando em 1973 foram descobertos por Bil Aucoin e no mesmo ano assinaram contrato com a recém-inaugurada “Casablanca Records”.
  Em 1974 lançaram seu primeiro álbum entitulado apenas “KISS”, recheado de clássicos, que a banda tocou por toda a carreira. O primeiro disco não chegou a ser um sucesso, assim como o segundo, Hotter Than Hell, lançado no mesmo ano.
  Em fevereiro de 1975, lançaram Dressed To Kill, disco que continha composições da época do Wicked Lester (Love Her All I Can e She), e foi neste disco que gravaram o clássico Rock And Roll All Nite. Era o começo do estrelato.
  Ainda em 1975 lançaram Alive!, primeiro álbum da banda a obter Disco de Ouro. KISS foi uma das primeiras bandas a lançar um álbum duplo gravado ao vivo. “Alive!” foi um marco para a indústria fonográfica e para a banda que anos depois lançou Alive II; em 1993, o Alive III; e em 2003, o Symphony: Alive IV, em um show que ocorreu junto com a Orquestra Sinfonica de Melbourne. Mas nenhum deles superou o enorme sucesso que foi o Alive!.
  Com o sucesso estrondoso de Alive! o KISS entrou em estúdio para gravar um novo álbum, e em 1976 lançaram Destroyer, outro grande sucesso (a essa altura os 3 primeiros discos já eram sucessos). Com Destroyer vem mais hits como Detroit Rock City, God Of Thunder e a balada Beth composta por Peter Criss, um dos grandes sucessos do KISS até hoje. O disco foi produzido por Bob Ezrin. No segundo semestre do mesmo ano lançaram Rock And Roll Over com hits como Hard Luck Woman e I Want You. Com a turnê de Rock And Roll Over, o KISS vai pela primeira vez para o Japão, país onde seriam idolatrados.
  Em 1977 lançaram Love Gun. Neste álbum Ace canta pela primeira vez no KISS, a música é Shock Me, e em um dos shows desta turnê Gene mais uma vez queima o cabelo. No mesmo ano lançaram Alive II, mais um ao vivo, só que este possui no lado B do segundo disco com 4 musicas inéditas. Ace só gravou a guitarra uma dessas músicas, “Rocket Ride”, que ele mesmo canta. As outras, quem gravou foi Bob Kulick, amigo pessoal da banda. Nessa época já haviam muitos produtos do KISS. A Marvel Comics lançou uma revista em quadrinhos do KISS onde a tinta vermelha usada para fazer a revista tinha o sangue de cada um dos membros do grupo.
  Em 1978 a banda alcança seu auge, dá um tempos no shows e cada integrante decide lançar um álbum solo (mas ainda com a assinatura da banda), o que mostrava que o ambiente não era dos melhores e a vaidade de cada um falava mais alto na época. Esse foi o começo da saída de Peter Criss e Ace Frehley.
  Em 1979, durante a gravação de Dynasty, os integrantes da banda decidiram que Peter Criss não continuaria as gravações do álbum (este já estava se afundando em álcool e drogas), e então convocaram Anton Fig (que havia tocado no álbum solo de Ace Frehley) para gravar o álbum (mas não deixaram com que os fãs soubessem, tanto que Fig toca fora do seu estilo, seguindo mais a linha de Criss). Peter só chegou a gravar “Dirty Livin’”, música que ele mesmo canta e que ja estava pronta antes de decidirem que ele não deveria mais tocar no album. Esse disco trazia o hit I Was Made For Loving You, que seguia um pouco a tendência disco da época e fez um enorme sucesso, apesar de desapontar os fãs mais tradicionais da banda. Também contou com 3 músicas cantadas pelo Ace, uma delas a cover do Rolling Stones, 2.000 Man.
  No álbum seguinte, “Unmasked”, gravado em 1979, mas lançado em 1980, Peter não participou da gravação de nenhuma musica, e novamente, Anton Fig gravou em seu lugar. Peter Criss aparece tocando no videoclipe de “Shandi” e na capa de álbum, mesmo sem ter participado de nenhuma gravação. Logo após o lancamento do videoclipe, Peter Criss saiu da banda, e em seu lugar entrou o baterista Eric Carr, que participou da turnê do disco. Esse álbum, assim como o anterior, foi altamente atacado por ser mais “pop” que os anteriores.
  Em 1981 o Kiss lança o criticadíssimo Music From “The Elder”, também conhecido por apenas The Elder. Neste álbum, o Kiss muda um pouco seu estilo, e não agrada ao público em geral. Para rebater as críticas sofridas e tentar finalmente agradar aos críticos mostrando que eram músicos competentes, o KISS muda radicalmente de posicionamento. Pela primeira vez desde seu surgimento, via-se uma foto da banda com os integrantes de cabelos curtos e com roupas mais discretas, apesar de continuarem utilizando as máscaras. Contrataram novamente o produtor Bob Ezrin (que produziu Destroyer), que idealizou o álbum. Ace (que gravou as suas participações no disco em um estúdio montado na sua casa) e Eric não concordaram com o lançamento, diziam que não era KISS. Por seu grande fracasso, este álbum não teve turnê, limitando-se à duas músicas executadas ao vivo durante um programa de televisão. Após isso, KISS só tocou uma música desse álbum durante uma apresentação. Foi no “MTV Unplugged”, de 1996, 15 anos após o lançamento do álbum. Até hoje fans debatem se esse é o pior album ou um dos melhores da fase mascarada, com musicas de excelente sonoridade como The Oath e A World Without Heroes.
  No começo de 1982, por insistência da gravadora, lançaram a coletânea Killers, com 4 músicas inéditas, Ace não participou de nenhuma delas. Um pouco antes das gravações de Creatures Of The Night, em 1982, Ace Frehley sofreu um acidente de carro e não pode gravar o álbum, então varios outros guitarristas foram chamados para substitui-lo. Ace não toca em nenhuma música do álbum. Após o lançamento do album Ace participou do videoclipe de “I Love It Loud”, mas não tocou o solo da música, e sim Paul Stanley. Após isso, saiu da banda, por problemas de alcoolismo e drogas. Ace foi substituído por Vinnie Vincent, conhecido da banda que já havia participado anteriormente da composição de algumas músicas e tocado no “Creatures”. Vinnie participou da turnê, que terminou em 1983 com três shows no Brasil. No Brasil ocorreu o maior público em um show do Kiss, e foi também onde o Kiss tocou pela ultima vez com as maquiagens antes da Reunião.
  Depois da turnê, o KISS, em um golpe publicitário, decidiu tirar a maquiagem e lançar um novo CD. Lick It Up. Após a turnê, Vinnie sai da banda, e Mark St. John, um guitarrista canadense, entra para gravar Animalize ( 1º disco do KISS lançado simultâneamente em CD), mas devido a seu problema de artrite nas mãos não consegue gravar todas as músicas. Bruce Kulick, irmão de Bob Kulick, gravou essa última música. Na turnê, Mark St. John não consegue tocar durante o show inteiro, então Bruce Kulick era chamado para substitui-lo. Durante todo o tempo em que fez parte da banda, Mark St. John só conseguiu tocar um show inteiro. No meio da turnê, Mark St. John sai definitivamente do KISS, e Bruce assume seu lugar (Mark St. John morreu no dia 5 de abril de 2007, aparentemente de uma hemorragia cerebral - a doença que o impediu de continuar tocando era uma espécie de artrite que provocava inchaço nas mãos e braços). Essa época tem como ponto marcante as roupas extremamente coloridas, chegando a lembrar Twisted Sister.
  Em 1985 lançaram o álbum Asylum, que teve a música Tears Are Falling, outro grande sucesso. Ainda no mesmo ano, Gene cria sua gravadora (Simmons Records). Depois de 1 ano sem lançar nenhum disco voltaram para o estúdio, gravaram o álbum que foi lançado em 1987, Crazy Nights.
  Depois de 10 anos o KISS voltou ao Japão em 1988 com a Crazy Nights Tour. Neste mesmo ano lançaram a coletânea Smashes, Thrashes & Hits, com duas músicas inéditas, Let’s Put The X In Sex e (You Make Me) Rock Hard e uma nova versão para Beth cantada por Eric Carr.
  No ano de 1989 Paul saiu em turnê solo pelos EUA, tendo em sua banda Bob Kulick na guitarra e Eric Singer na bateria. Voltaram para o estúdio e lançaram no mesmo ano o álbum Hot In The Shade que tem o hit Forever.
  Em Abril de 1991, Eric Carr, que havia substituído Peter Criss, descobre que possuia um raro tipo de câncer no coração. No dia 24 de Novembro, seis meses após descobrir a doença, morre. Freddie Mercury, vocalista do Queen, morreu também neste mesmo dia. Após sua morte, é substituido por um baterista de mesmo nome, Eric, Eric Singer, que havia tocado na turne solo do Paul Stanley.
  No álbum Revenge (álbum seguinte após a morte do baterista), a música “God Gave Rock And Roll To You II” possui os backing vocals gravados por Eric Carr. No álbum também havia uma homenagem para o finado baterista, uma faixa de nome “Carr Jam 1981”, onde ele tocava bateria e guitarra. Muitos consideram esse álbum o melhor desde o Lick it Up.
  No ano seguinte, 1993, aproveitando a turnê de Revenge, lançaram mais um ao vivo, Alive III.
  Em 1995, a MTV convida o KISS a fazer um álbum acústico, da série “Unplugged” da MTV. Gravado no dia 9 de Agosto de 1995, nos estúdios da Sony. O evento contou com a presença dos integrantes originas, Peter Criss e Ace Frehley. O Álbum ganhou um DVD e posteriormente, um DVD sem cortes.
  O KISS percebeu que seria uma boa ideia voltar à formação original e com as maquiagens. E foi assim, Gene e Paul, agora novamente com Peter e Ace, e as maquiagens, saíram em uma turnê mundial que recebeu o nome de Alive WorldWide Tour. Em 1997 o KISS lança “Carnival Of Souls - The Final Session”, mas ainda com Bruce e Singer.
  “Psycho Circus”, lançado em 1998, volta com a formação original, e com uma nova turnê. Posteriormente foi lançada uma versão dupla do álbum, cujo segundo disco continha músicas gravadas durante um show da turnê. A “Psycho Circus Tour” teve dois shows no Brasil, um em Porto Alegre e outro no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.
  No ano de 2000 o KISS anuncia uma Farewell Tour, que seria a turnê de despedida da banda. No meio da turnê Peter Criss teve que se ausentar por problemas de artrite, e em seu lugar voltou o ex-baterista da banda Eric Singer. Após a turnê, que deveria ser a última, o KISS decide fazer um novo álbum ao vivo, este que seria junto com a Orquestra Sinfonica de Melbourne.
  Ace Frehley sai da banda e não participa do show. Em seu lugar, entra Thommy Thayer, que já havia produzido alguns albuns da banda. Peter Criss, já recuperado, volta para fazer o show. No dia 28 de Fevereiro de 2003, em Melbourne, o KISS faz um show para entrar pra história.
  Após o show Eric Singer volta para a banda, e parte para uma nova turnê, a Rock The Nation Tour, que rendeu até um DVD que foi gravado em 2004, mas foi só lançado no final de 2005. Também em 2005, Gene e Paul anunciam “férias” da banda e que durariam 2 anos.
  Em Outubro de 2006 Paul Stanley lança seu segundo álbum solo, Live To Win e sai em turnê para divulgação. Uma curiosidade, um dos guitarristas que o acompanha nesta tour, é o curitibano Rafael Moreira, que com 18 anos saiu de Curitiba e se desenvolveu tocando guitarra nos EUA. O álbum está tendo boa repercussão
  O baterista original do Kiss, Peter Criss, lançará um novo disco solo chamado “One For All” no dia 24 de julho pela Silvercat Records. Além de prestar homenagem ao seu ex- companheiro de banda, Ace Frehley, com a faixa “Space Ace”, o disco vem com músicas que apresentam títulos como: “Last Night”, “Heart Behind The Hands” “Send In The Clowns”, “Doesn’t Get Better Than This” e “Faces In The Crowd”. Peter passou os últimos dois anos preparando as músicas para esse projeto, que vai ser o quarto de sua carreira solo. Os outros são “Out of Control” (1980), “Let Me Rock You” (1982) e “Criss Cat #1” (1994).
  Em 2007 o KISS se apresentou em uma mini turnê (Hit N’ Run Tour) pelos Estados Unidos com quatro concertos. No último concerto desta mini turnê, o frontman do Kiss, Paul Stanley horas antes do concerto sofreu uma aritmia cardíaca que impediu que o mesmo pudesse tocar. O que resultou no primeiro concerto em “trio” da história do Kiss. Um emocionante concerto em homenagem a Paul Stanley que dias depois já havia se recuperado completamente. Continuando em 2007, a banda esteve mais uma vez presente no Série Guitar Hero; desta vez a música licenciada foi o seu “hino” “Rock And Roll All Nite, podendo ser tocada no Guitar Hero 3.
  Em 16 de março, teve início a temporada de Fórmula 1 com o Grande Prêmio da Austrália. O Kiss fechou o evento com um show no Melbourne Park para mais de 50.000 pessoas. A partir desta data, deu-se início a Kiss Alive/35 World Tour.
  No dia 29 de novembro de 2008, Paul disse, durante uma entrevista, que no verão americano de 2009 o KISS irá voltar a gravar um álbum em estúdio com músicas inéditas fato que não acontecia desde 1998 com o álbum Psycho Circus. Paul disse que o álbum será no estilo do bom e velho rock dos anos 70’, “de volta às raízes”.
  Em 2009, a banda se apresentou no Brasil, ainda pela “Kiss Alive/35 World Tour”. Foram dois shows, o primeiro em São Paulo, dia 7 de abril, na Arena Anhembi e na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro, dia seguinte.
  Em 6 de outubro do mesmo ano o álbum Sonic Boom foi lançado; segundo o baixista Gene Simmons esse seria o melhor álbum do grupo em 30 anos. Logo em seguida a banda iniciou turnê pela América do Norte, com o término apenas no dia 15 de Dezembro. No meio desta mesma turnê, os integrantes do Kiss anunciaram uma turnê pela Europa.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!